Ressuscitou a meados de Maio de 2004. Continuará a focar o seu conteúdo no mais xungoso, desde A Paixao de Cristo até ao Último Samurai... Crítica free-style! contacto: cinemaxunga@gmail.com

segunda-feira, dezembro 19, 2005

NOVO ENDEREÇO



Mudei-me para este novo endereço. As mesmas críticas, a mesma (falta de) qualidade e a possibilidade de ter muito mais liberdade. Um espaço mais organizado, com melhor aspecto e as mesmas possibilidades de um blog.

Abraços do tio Xunga

I read over your blog, and i found it inquisitive, you may find My Blog interesting. My blog is just about my day to day life, as a park ranger. So please Click Here To Read My Blog

By Blogger kevinfisher6287, at 1:55 da tarde  

I read over your blog, and i found it inquisitive, you may find My Blog interesting. So please Click Here To Read My Blog

http://pennystockinvestment.blogspot.com

By Blogger leanordhuron25747227, at 1:49 da manhã  

Get any Desired College Degree, In less then 2 weeks.

Call this number now 24 hours a day 7 days a week (413) 208-3069

Get these Degrees NOW!!!

"BA", "BSc", "MA", "MSc", "MBA", "PHD",

Get everything within 2 weeks.
100% verifiable, this is a real deal

Act now you owe it to your future.

(413) 208-3069 call now 24 hours a day, 7 days a week.

By Blogger louissmith94065204, at 1:31 da manhã  

Well done!
[url=http://pzdjutnp.com/dkpc/fwmt.html]My homepage[/url] | [url=http://fourvmpy.com/eekh/jmvs.html]Cool site[/url]

By Anonymous Anónimo, at 7:23 da manhã  

Good design!
My homepage | Please visit

By Anonymous Anónimo, at 7:24 da manhã  

Well done!
http://pzdjutnp.com/dkpc/fwmt.html | http://kfsevaqk.com/tnbr/nhsg.html

By Anonymous Anónimo, at 7:27 da manhã  

Wonderful and informative web site. I used information from that site its great. »

By Anonymous Anónimo, at 9:41 da manhã  

viagra 100mg viagra substitute viagra alternative viagra cheap buy online viagra from india viagra lawyers viagra cheap buy online bought viagra fuerteventura viagra 6 free samples cheap viagra canada buy viagra online uk lowest price viagra buy cheap viagra online uk viagra uk cheap purchase buy

By Anonymous Anónimo, at 12:24 da manhã  

domingo, outubro 17, 2004

Punch Drunk Love (2002)
Não é xunga, não senhor! (a 97%)

Punch Drunk Love (2002)Sinopse: Barry Egan é um tipo com um comportamente que se afasta ligeiramente daquilo que se convencionou a chamar "normal". Tem sete irmãos poderosamente possessivas e um pequeno negócio que não se compreende muito bem qual é nem como gera dinheiro. Um dia descobre um bug numa promoção de marketing e com 3000 dólares consegue comprar produtos que, depois de convertidos os cupões, resultam em milhões de milhas de vôo grátis, suficientes para algumas voltas ao mundo. Entretanto apaixona-se e ainda se torna mais instável, como se fosse movido por uma caldeira nuclear com ligeiras fissuras e com a temperatura sempre a passar do red line.

Crítica: Paul Thomas Anderson surpreende mais uma vez, desta feita com o spotlight direcionado a apenas um personagem, em vez de vastos grupos como fez em Magnolia e Boogie Nights. Eu gosto muito do Paul Thomas Anderson, mas só agora vi este filme. Porquê? Bem, porque Paul Thomas Anderson exerce sobre mim a força positiva com valor absoluto semelhante à força negativa que exerce Adam Sandler. Como é explicado nas lei da física, as forçam anulavam-se e eu ficava ali no meio em inércia. Ontem, num momento de tédio decidi pegar nele e dar-lhe um visionamento de soslaio.

O filme agarrou-me logo nos primeiros segundos e cedo me apercebi que estava perante uma sub-avaliada obra prima. O trabalho inicial de fotografia (escuridão interna Vs luz solar da manhã) é inquietante e permite-nos entrar rapidamente na mente de Barry Egan e ter a sua percepção de realidade. Os momentos iniciais de fúria interna surpreendem pela emoção com que são transmitidos. Digamos que Barry Egan é um tipo como nós, só que os seus extremos emocionais são mais alargados e que ele passa pouco tempo no meio. É mais do género de estar a partir tudo ou numa submissão de cortar o coração.

A galeria de actores é fantástica. Adam Sandler, na sua única performance digna do título "representação", Philip Seymour Hoffman sempre excelente e polivalente, Emily Watson continua em forma (mesmo depois de ter iniciado a carreira a ser vandalizada por Lars Von Trier), e toda uma galeria de actores secundários de luxo. Actores é a expressão para definir este casting.

Pontos altos: Cinema no verdadeiro sentido da palavra.

Pontos baixos: Talvez uma ou outra expressão infeliz de Adam Sandler. Não tem sexo doentio...

Veredicto: Fantástico

PS: Adam Sandler, se me estás a ler, não ganhes esperança, porque uma andorinha não faz a primavera.
PS2: Philip Seymour Hoffman, ainda não te perdoei da performance de merda em "Along Came Polly". Estavas a precisar de dinheiro para cocaína ou tinhas as propinas dos putos em atraso?

sexta-feira, agosto 13, 2004

UltraChrist (2004)
xunga do bom

UltraChristQuando se faz um filme, há que assumir certas coisas. Normalmente, o marketing aponta o filme muito alto, mas o canhão propulsor da imaginação e genialidade dos seus criadores acaba por não ter força suficiente e acontece aquilo a que se designa comummente como "um flop". Filmes assumidamente maus são sempre bons. A razão está na maturidade dos criadores para afirmar que "este filme é xunga", o que os transforma em visionários, ou génios nalgumas provincias do Nepal. Esta crítica não tem o formato normal, porque é um filme que gostei e recomendo.

Este filme é para ser visto apenas por pessoas sem preconceitos, senão está tudo fodido. E não contem a história à vossa avó, senão ainda acabam a ser exorcizados pelo padre da paróquia. A história é simples: Jesus Cristo volta à Terra, ao bom estilo Terminator, mesmo no centro de Nova Iorque. Ao fim de algum tempo a tentar evangelizar a população, descobre que as coisas afinal estão diferentes do seu tempo. Encontra um entusiasta da BD que o aconselha a usar um fato de licra, tipo homem-aranha, para convencer os jovens. Encontra uma jovem costureira que se apaixona por ele. Entretanto, no céu, Deus envia um anjo para roubar o fato de licra. O anjo, um ex-colega de faculdade de Jesus das aulas de treino de gladiador, é um pouco corrupto e acaba por gostar da devassidão que raza o planeta neste inicio de século. Entretanto o Demónio, velho conhecido, envia 4 agentes para destruir Jesus: Hitler, Nixon, Jim Morrison e Drácula (dos filmes P/B). E depois é um fartote.

O filme é amador, filmado em DV, mas imaginativo. Eu gostei...

segunda-feira, agosto 02, 2004

Reviews on demand
O que queres ver aqui no cinema xunga?

O CX2 decidiu abrir os seus horizontes cinematográficos e fazer crítica de cinema "à doidinha". É só dizerem que filmes querem ver analizado aqui no Xunga 2 e nós tratamos disso. Sim, porque agora que temos amigos no governo arranjamos convites grátis, que normalmente vendemos à porta dos recintos a velhas secas com as peles esticadas que gostam de estar em todas. Uma vez até fomos à PJ acusados de pirataria e lá nos conseguimos safar com convites para um bar de strip que nos arranjou um Secretário de Estado.

PS: Se alguém quiser aqui postar uma crítica a um filme, é só mandar para o mail ali de cima que nós colocamos. Claro que depois colocamos algumas notas do tradutor, mas coisas pacíficas. Fear not...

terça-feira, julho 13, 2004

Hate Mail

Fui hoje ameaça por email por uma pessoa que não concorda com as minhas opiniões. Estou em choque, em pânico. Pensei recorrer à PJ, mas assim pode acelerar o processo. Vou transcrever o email:

" (...)
Bacano, se n comexas a atinar com kríticas dessentes, mando-te uma kópia de Dirty Dancing - Havana Nights e mostro aos teux amigus a factura em teu nome.

Hellboy Power

anónimo
(...)
"

segunda-feira, julho 12, 2004

Não é xunga, não senhor!

Decidi fazer aqui uma pausa na xungueira e apresentar alguns títulos para poderem ver no conforto do lar, com os vossos entes queridos, de lareira acesa e velas vermelhas. Espero que gostem deste serviço público que vos presto e me mandem umas garrafas de vinho alentejano e uns frangos da quinta pelo Natal.

Happy Tree Friends Happy Tree Friends [Vol.1 & 2]
Para fans de gore do mais duro recomendam-se estes 2 volumes recheados de extras da famosa série Happy Tree Friends. Cada DVD contém apenas 20 e poucos minutos de pequenos sketches, mas garanto-vos que vale bem a pena. Para adeptos de Itchy and Scratchy, South park, Duckman ou Celebrity deathmatch que não se importem de ir um pouco mais além, é essencial.

Em termos de extras, o segundo volume é o mais indicado. Conta com um episódio especial, em que um macaco budista em estado de Zen tenta salvar o seu jardim de ninjas jardineiros que tenta destruir os seus bonsais e flores orientais. Como extra pode ser ainda encontrado uma entrevista com um personagem basicamente é um puto das cavernas num bloco de gelo, um fake-documentary acerca dos criadores, um karaoke sing-along e comentários com storyboards.

Não é recomendável a crianças nem a pessoas mais sensíveis (mariquinhas) que se choquem com qualquer merda. Também não se assustem porque não é tão violento como a Paixão de Cristo.

Warning: Contains cartoon violence

Link: www.happytreefriends.com (contém episódios free em shockwave)


Bubba Ho-TepBubba Ho-tep (2002)
Fantástico filme low budget com o mítico Bruce Campbell. Quem não se lembra do fantástico Ash da trilogia Evil Dead? Com a sua moto-serra a substituir a mão? Quem não viu ainda devia corar de vergonha e ir a correr arranjar. Ou então devia fazer autopunição, batendo com um chicote nas costas até sangrar.

Neste Bubba Ho-tep a situação é a seguinte: num lar de 3ª idade contemporâneo vive Elvis (o verdadeiro) que é encarnado por Bruce Campbell. Afinal ainda é vivo, apesar de velhote. Abandonado e pobre, trocou de lugar com um Elvis impersonator para poder viver em paz. Além de Elvis, também está lá JFK, mas só que é negro. Os serviços secretos mudaram-lhe o aspecto para o proteger e depois abandonaram-no neste lar de 3ª idade, no Texas redneck e profundo, para morrer em paz e não contar os segredos. Entretanto aparece também uma múmia que promete sugar a alma a todos os anciões (pelo cu) e acabar com o paz naquele ermo. Escusado será dizer que estes dois velhotes paralíticos e com problemas graves de memória têm que acabar com esta ameaça egípcia.

É tão baixo orçamento que se houvesse alguma música de Elvis no filme, os direitos de autor ficariam no dobro do valor do orçamento disponível para o filme todo. Uma loucura genial, onde o baixo orçamento só torna as coisas mais deliciosas.

E pronto, por hoje chega.

Bons filmes...

ahh...finalmente alguém que se lembra (e aprecia) do Duckman!

By Blogger miguel, at 6:03 da tarde  

hi, cinemaxunga.blogspot.com!
[url=http://cialisdec.fora.pl/] cialis rezeptfrei[/url] [url=http://cialisded.fora.pl/] cialis [/url] [url=http://cialisdee.fora.pl/] cialis ohne rezept[/url] [url=http://cialisdef.fora.pl/] cialis bestellen online[/url] [url=http://cialisdeg.fora.pl/] cialis bestellen online[/url] [url=http://cialisdeh.fora.pl/] cialis rezeptfrei[/url]

By Anonymous Anónimo, at 8:33 da manhã  

quarta-feira, junho 30, 2004

Starsky and Hutch (2004)

Starsky and Hutch (2004)Sinopse: Um polícia correcto e um polícia corrupto são forçados a trabalhar em equipa para combater o crime. Entretanto, um barão da droga inventa um novo tipo de cocaína que não é detectado por cães... Depois é só juntar estas duas frases e adivinhar o resto.

Crítica: Confesso que não conheço a série original, ou se conheço será com um título diferente, tipo "Mauzão e Rabugento" ou dobrada em brasileiro, onde teria o título de "Caras Legais" (se não perceberam a piada, releiam porquem tem duplo sentido). Eu só vi este filme por uma razão: nos jogos anteriores da selecção andava sempre com problemas de estômago e intestinos. E quando tinha essas maleitas, a selecção ganhou. Embebido nesta onda mística que percorre o país, tive que arranjar maneira de me voltarem os vómitos. Vi este filme e resultou. Força Figo, a minha parte está cumprida.

Gosto de ambientes de anos 70, mas não é preciso exagerar. Esta dupla de actores já tem feito filmes merdosos, mas apesar de terem atingido o fundo neste penso que continuarão a escavar. Snoop Doggy Dog é o típico negro Jiggy com os tiques apensos. Ben Stiller é o habitual macaquito amestrado que se bamboleia como um misto de jogador de futebol de salão com um jockey de cavalos. Não tem piada e a carapinha finalmente tem uso. Owen Wilson é só um gajo louro. Viram a palavra "actor" na descrição? Pois não... E não é gralha! Só lá falta o Leslie Nielsen.

Depois o enredo é uma sucessão de funky style sem espaço para argumento. O polícia perfeito vs polícia corrupto que se completam, o típico vilão hiper confiante que conta a trama toda sem se certificar que matou os polícias, os carros do tempo da gasolina barata, as roupitas e o disco sound. Suspeito que o filme teve que ser editado para remover uns 15 minutos ali na zona do fim, porque se nunca tem sentido, no fim torna-se abstracto.

Senhores presidentes de grandes estúdios de cinema, ide para o caralho e levai convosco estes remakes, sequelas, prequelas e xungaria em geral.

Pontos altos: Quando um pónei é abatido a tira frente a criancinhas.

Pontos baixos: O macaquito Ben Stiller e o seu Chiwawa louro amestrado. Além de tudo o resto, claro.

Veredicto: Alcatrão e penas


quarta-feira, junho 16, 2004

Daredevil (2003)
Arquivos xunga

Dare Devil Sinopse - Super herói de borracha avermelhada, o homem sem medo. Advogado de dia, vingador à noite. Luta eternamente contra o Rei do Crime. Aprende na noite que, se calhar, a vingança nem é uma opção assim tão interessante.

Resumo livre - Um jovem rapaz cujo pai é um boxer falhado, tem um dia uma desilusão terrível. Mete-se a correr que nem um doido e acaba por apanhar com um líquido radioactivo nas trombas. Descobre então que fica cego e que ficou com os outros sentidos com sensibilidade acrescida. Fica com um visão tipo morcego, um homem-radar. Um dia matam-lhe o pai e ele fica todo chateado. Já adulto torna-se um advogado de coração mole (robin hood em versão faculdade de direito) e à noite esquarteja impiedosamente criminosos alucinados. Apaixona-se... Azar do cara**o! O homem sem medo afinal tem cu. Vai daí, a miúda com que se apaixonou também é dada a usar umas borrachas avermelhadas armada em super-heroína. Porrada para aqui, porrada para ali e as coisas lá vão avançando até se descobrir que todo o mal no mundo tem como origem um terrível barão do crime, um patrocinador de malvadeza. Mau como as cobras... Grande como uma casa! Mais bordoada avulsa e acaba.

Crítica - Cada vez que vejo um filme deste género penso: "quantos putos é que já não terão partido as costas a inventar saltos á lá matrix?". Bem, mas vamos ao que interessa. Quando era miúdo lia alguma coisa da Marvel. Era o que orçamento permitia, até porque os comics nem eram baratos. Este senhor era um dos meus favoritos, juntamente com o Homem Aranha, o Surfista Prateado e um outro de sapatos bicudos (venenosos) que não me lembro o nome. Mas não fazia ideia que se chamava Daredevil no original. Adiante. O filme não faz justiça à nobreza do herói. A começar pelo actor principal, Ben Affleck, gajo que nunca me causou um mínimo de interesse. A enredo é completamente desconexo, onde se denotam as cirurgias plásticas mal disfarçadas. A porrada é mais um franchising daqueles chineses que inventaram os saltos com cordas, que ganham uma batelada à conta destes estilistas que se preocupam mais em vender óculos do que em fazer um filme decente. Os efeitos especiais não estão mal, mas tendo em conta o orçamento, não fazem mais do que o trabalho deles. Os FX são baseados na investigação feita para o Homem-aranha, e nas cenas de mais dinamismo, sempre escuras, o nosso herói tem um aspecto mais plastificado, arredondado e os movimentos são ainda bastante artificiais.

Pontos Altos - Os dois pontos altos são Elektra e BullsEye. Por razões diferentes. Elektra aparece perante os nossos olhos com uma imensa beleza. Dá prazer olhar para a sua presença no ecrã. Até a "duplo" que faz a suas cenas é boa como o milho. Gera um certo interesse e ajuda a passar o martírio dos 90 e tal minutos que dura esta desgraça. O BullsEye é engraçado. Não que seja propositado (não é), mas porque o actor (não tenho paciência para procurar o nome) quer dar um ar tão demente que gerou um palhaço que gera gargalhadas involuntárias na plateia. No meu caso, no sofá, enquanto esperava que o telemóvel carregasse para poder sair e apanhar ar.

Pontos baixos - A ridícula luta interna do nosso herói de latex, o final fatela de "a vingança não compensa", o Kingpin (esperava melhor) e finalmente, onde raio mandam os super-heróis fazer os fatitos, as armas e as decorações?! Eu sei, eu sei, são personagem de banda desenhada, mas por vezes era lá que deveriam ficar, onde têm tão bom aspecto.

Observações finais - Desde que não se pague para ver e não se perca tempo útil, até é um bom sonífero.

Veredicto - Ligeiramente amerdongado. Xunga de grau 3

segunda-feira, junho 14, 2004

Matrix Revolutions Vs Dragon Ball Z
Descubra as diferenças - comparativo xunga





quinta-feira, junho 10, 2004

Cheira-me a xunga [volume 1]

Aproxima-se uma época pródiga em xungaria. E não me refiro àquela boa e de baixo orçamento, refiro-me à xungaria big budget que contamina as nossas salas em tempos de sol quente. Um dos problemas principais é o facto de agora toda a xungaria blockbuster demorar entre 2 e 3 horas, influenciados pelos sucessos do Senhor dos Anéis e todos querem armar-se em épicos. O vazio em si já é doloroso, agora o vazio extendido por 3 horas é bem f*dido...

I, Robot - Cheira a xunga a 10 quarteirões de distância. Para começar tem Will Smith. Bem, desde o Príncipe de Bel-Air que ele não faz nada interessante. É monótono e insuportável quando se arma em engraçadinho. Cada vez que o vejo algures lembro-me do trailer de Bad Boys 2, filme de que sempre fugi, como o diabo foge da cruz. Depois este filme cheira-me a banhada aos episódios "The Second Renaissance" do Animatrix. Claro que usar uma música do Matrix Revolutions no trailer não ajuda...

Garfield, the Movie - Adaptar Garfield ao cinema será ainda mais ridículo que Scooby Doo. Acho que o mito Garfield vai cair por terra, porque toda a gente se vai lembrar dessa merda seca de filme que aí se aproxima. Pior que adaptar ao cinema isto seria adaptar Calvin & Hobbes. É como fazer um remake da "Canção de Lisboa" ou "Vale Abraão" em Hollywood.

Spiderman 2 - Ui... Mais não! Acho que ainda prefiro aquele dos anos 70 com guitarras funky e o homem aranha preso por cabos e com um pijama largo a disfarçar as banhas.

Harry Potter and the Prisoner of Azkaban - Este já se transformou oficialmente em epidemia e o que mais doi é o facto de ainda faltarem uns 4 até o virus ser oficialmente irradicado. Nem com pirataria lá vou... Mas se for, depois partilho com vocês a minha experiência por esta dimensão alternativa bubble gum.

Catwoman - Este é de certeza horrível. Tipo sado-maso, mas sem carne e pecado propriamente dito. Provavelmente ficar-me-ei pela minha cópia de "Gordas de cabedal e chicote 17".

Sequelas, prequelas e spin offs - Catwoman, Spiderman, Harry Potter, Alien vs. Predator, The Chronicles of Riddick, Exorcist: The Beginning, The Bourne Supremacy... Sinais de um público pouco exigente e de uma imaginação estéril. O que me levaria ao cinema seria "Harry Potter vs Predator" ou "Making Of Carwoman: uma viagem aos vestiários com câmara encondida"...

Do you haѵе a ѕpаm problem on thiѕ blog; I also am a
bloggеr, and I waѕ wondering your situation; we have creаted some nice practicеs and we are
lоoking to exchange methodѕ with otheгs, pleaѕe shoot
me an email if interested.

my web sitе; Just Tease Women

By Anonymous Anónimo, at 4:14 da tarde  

Ηi there! Τhis is kind of off toρic but Ι need ѕome adviсe from an established blog.

Is it hard to ѕet up your own blog? I'm not very techincal but I can figure things out pretty fast. I'm thіnkіng аbout making my own but I'm not sure where to begin. Do you have any tips or suggestions? Appreciate it

My blog post; Natürliche Busen

By Anonymous Anónimo, at 10:08 da tarde  

domingo, junho 06, 2004

Secret Window (2004)

Secret Window (2004) Sinopse: Um escritor é acusado de plágio por um agricultor do Mississipi. Enquanto o escritor tenta provar a originalidade do seu conto, o agricultor vai adiantando trabalho e vai começando a chacina para poupar tempo.

Crítica: Isto é basedo num livro de Stephen King, esse gajo que escreve aproximadamente 2000 páginas de horror repetitivo por ano. Ora, este tal livro de King deve ser autobiográfico, pois também é um plágio a Fight Club. Estão a ver o fim, não estão? Não? Ahhh, era a brincar. Ok!

Johnny Depp é bom actor, aqui estamos de acordo. Mas não faz milagres. Se Van Helsing tivesse John Malkovich como actor principal, seria igualmente mau. Tirando Depp da equação ficamos com aproximadamente um valor qualitativo a roçar o zero. Bem, mas falemos do filme. É um típico Stephen King. Promete, cria ali uma enorme expectativa e quando chega ao fim a descompressão é incompleta. É um filme standard sobre esquizofrenia, mas que não tem qualquer razão de ser desde Fight Club. O que toda a gente pensa a ver o filme é "F*da-se, espero que não seja ele a alucinar e afinal não haja agricultor do Mississipi. Espero que ele não tenho dupla personalidade e cometa os crimes enquanto dorme. Espero que... Merda, afinal era mesmo assim..."

Então para que serve este filme? Bem a minha sugestão é a seguinte: Se tiverem algum engate em vista a quem ainda não tenham saltado à espinha, vão com ela ao cinema ver isto. Não pode ter mais que 20 anos, ou seja, tem que ser altamente impressionável, a não ser que seja de Moimenta da Beira. Depois, enquanto ela vai dizendo "que horror!", vão chegando a mão por cima do ombro e tentar chegar à maminha. Sugiro que vejam o filme antes, para saberem os momentos chave para o ataque. Nas cenas em que aparece o inevitável gato para assustar as meninas, apertem a maminha. Depois ela vai rir-se de alívio, mas a mão fica na maminha. Se souberem jogar bem, nem precisam de passar pelo barzinho merdoso, passam logo para o banco de trás numa estrada terciária do campo.

Pontos altos: Nenhum

Ponto baixos: O descarado plágio e uma previsibilidade horrenda para o cinéfilo experiente.

Veredicto: Não lhe toquem nem com um pau de 5 metros.

Que texto tão triste... É melhores leres mais umas coisinhas para teres diferentes pontos de vista em relação aos assuntos que te dignas a falar...
Ainda por cima deves ter a mania que és machão! Triste...

By Anonymous Anónimo, at 9:49 da tarde  

quarta-feira, junho 02, 2004

Trivialidades Xunga [1]

- Uma pancada na cabeça coloca toda a gente a dormir, sem estragos neurológicos permanentes.
- Um murro aguenta-se bem e apenas se fica com uma comichão na bochecha.
- Um tiro não mata niguém. Existem mesmo casos em que, mesmo com vários tiros, as pessoas continuam a sua vida normal e completam o filme com perfeição.
- Em caso de perigo eminente, atira-se toda a gente pela janela, nem que seja num 47º andar, porque há sempre uma piscina ou um toldo para aparar a queda. Menos quando é no fim do filme e é o mau que cai.
- Os vampiros têm os melhores estilistas.
- Munições infinitas são bastante comuns. Explicação mais plausível: Carregadores multi-dimensionais que acumulam um bilião de balas numa realidade paralela que passam para a arma por um pequeno portal quântico.
- Os zombies são muito frágeis, porque toda a gente sabe que se lhe for puxado um braço, ele sai facilmente.
- Devido a um pequeno ajuste na gravidade da Terra, todas as balas disparadas em direcção ao herói acabam por acertar no chão, em volta dos seus pés.
- Devido aos baixos preços dos componentes electrónicos, todas as bombas são feitas com temporizadores digitais. Mesmo que seja suposto estarem escondidas e ninguém as ver.
- Todos os aparelhos que envolvem electrónica fazem bip, blop, swizz, snip, tic tic e ninguém fica irritado com isso.
- Os computadores falam com voz suave e feminina, à excepção de HAL que foi programado por um maniaco-depressivo recentemente divorciado e com problemas hemorroidais.
- Os carros da polícia explodem melhor e são feitos de papel reciclado que se deforma com o atrito do ar.
- Não se pode confiar em andróides, esses filhos da p*ta falsos.
- Águas radioactivas tendem a transformar animais, tornando-os agressivos e gigantescos.
- Devido à sua localização geográfica e à sua anatomia diferente, os orientais conseguem permanecer no ar aproximadamente 7,39 vezes mais tempo que os ocidentais.
- A capacidade de ver de modo cristalino debaixo de água sem óculos e a capacidade pulmonar extraordinária prova que grande parte dos personagens em filmes xunga são anfíbios.

(to be continued)

segunda-feira, maio 31, 2004

Darkness Falls (2003)

Darkness Falls (2003) Sinopse: O espírito de uma senhora assassinada injustamente ataca um subúrbio americano qualquer sob a forma da... Fada dos Dentes! Uma criança sobrevive ao ataque, mas os seus pais não. A criança, agora crescida, tem que lidar com o regresso da Fada dos Dentes para salvar outro puto que sofre das mesmas maleitas.

Crítica: Há um factor comum nos filmes de terror que até é compreensível: a explicação do caso à polícia. Normalmente alguém é atacado por espíritos, zombies, canibais, bactérias, lobisomens, vampiros, gnomos, animais mutantes, monstros pré-históricos (coisas do dia-a-dia) e quando vai à polícia contar o que aconteceu, eles atiram-se ao chão e rebolam-se a rir. Nessa altura, nós ficamos indignados, porque achamos que os polícias são maus. E porquê? Porque na nossa previligiada posição de espectador nós sabemos que aquilo é verdade. Mas existe sempre um polícia que acredita e normalmente é para tentar comer uma gaja do grupo das vítimas. Ou seja, a polícia tem razão. Porque haveriam de acreditar em tamanhas aberrações? Mas depois, essa mesma polícia não acha estranho, no final dos filmes, aparecerem sempre chacinas com milhões de corpos. Nunca vi em nenhum filme desses os heróis a desculparem-se e a dizer "Sabe senhor Polícia, eu matei realmente 275 pessoas, mas não se preocupe porque eram zombies...". E o polícia diz "Ah, que susto! Então não há problema, está tudo explicado".

O tema deste filme sugere uma falta de imaginação atroz, um ripoff ao Freddy Krueger. A Fada dos Dentes, apesar de ter sido criada por Stan Winston, não é mais do que uma tipa magra, vestida com mantos pretos rasgados e com uma máscara de porcelana pintada a guache, ao estilo de pigmeus da Nova Guiné. A pobreza cinematográfica arrasta-se ao longo deste desfile de clichés para acabar com uma cena num farol, em que a Fada (agora típica bruxa de conto de fadas) esvoaça ocasionalmente, em efeitos especiais CGI renderizados por um 486 com 8 MB de RAM.

Este filme é tão mau que os créditos finais correm durante 11 minutos para dar a duração de longa-metragem. Isso significa que nem uma única cena foi deixada de fora. Toda a merda foi aproveitada e aposto em como ainda filmaram mais uns minutos de nonsense para esticar aquilo mais um pouco. Todo o filme deve ter sido filmado à primeira, porque um metro de fita, parecendo que não, ainda é caro.

Pontos altos: Os créditos finais (11 minutos) especificam bem toda a equipe envolvida no filme e a velocidade lenta com que passam permite procurar um amigo ou familiar que possa ter aparecido no filme, mesmo como "responsável por procurar a melhor relação qualidade/preço em legumes para a dieta especial do motorista que é diabético" ou "dactilógrafo contratado em part-time com pagamento a roçar o zero, cujas funções também passavam por sevícias sexuais ocasionais".

Ponto Baixos: Estive a falar sozinho ali em cima na crítica? Se vieram directamente para aqui, façam favor de ler lá em cima onde diz "Crítica:".

Veredicto: Filme bom para quem gosta de ler créditos finais.

sexta-feira, maio 28, 2004

Top 10 - Piores adaptações de séries de TV

1- Scooby Doo
2- Wild Wild West
3- Masters of the Universe
4- Charlie's Angels
5 - X-Files
6 - The Saint
7 - The Avengers
8 - Jackass
9 - Lost in Space
10 - Mission Impossible

Isto claro, enquanto não aparecerem os 3 Duques, Knight Rider, Dallas, A-Team e outros títulos que levam já o carimbo de xungão sem direito a culto... Eu não gosto que mexam com as minhas memórias de infância e juventude. Há uns tempos vi 2 ou 3 episódios da Galactica (os antigos, não a nova mini-série) e uma parte das minhas agradáveis recordações foram barbaramente chacinadas, tal o horrível que me pareceu a série neste visionamento.

Se alguém se lembrar de mais algum, digam qualquer coisa que eu meto em adenda.

quinta-feira, maio 27, 2004

Os títulos
Traduções e adaptações: Case Study

Faço aqui um apelo pungente a quem me estiver a ler (e que saiba a resposta), para me explicarem como é o processo de traduzir e adaptar um título de um filme para português... Seja quem for a pessoa, instituição ou sociedade secreta, quero dizer-vos aquilo que todos os portugueses que sabem ler já conhecem - ESTÃO A FAZER UM MAU TRABALHO. Eu sei que não nem sequer olham para o filme, mas pelo menos podem ler a sinopse (ou pedir ajuda à distribuidora) antes de assassinar um filme logo no título.

Os exemplos de pululam por aí, mas eu vou fazer aqui um esforço mental e lembrar-me de alguns. É difícil, porque eu estou-me completamente a cagar para o título em português e é frequente estar a ver bilhetes de cinema antigos e pensar: "Que filme é este?".

Case study: Quando saíu o primeiro Die Hard, os nossos atarracados tradutores, sentados nas suas cavernas onde dormitam, pensaram: "Bem, isto tem um prédio na capa... E é ladroagem de certeza! Vamos chamar Assalto ao Arranha-Céus. Isso mesmo, genial! Assalto ao Arranha-Céus.". Logo aqui um erro complicado. Enquanto o título se baseia no personagem de Willis, a adaptação rançosa dá highlight à acção dos assassínos sanguinários maus como as cobras. Ao não perceber esta opção estética, os tradutores (únicos funcionários públicos da censura que sobreviveram o 25 de Abril) destroem completamente o esforço criativo de dezenas de cérebros que pensaram no título. Ou seja, passou-lhes tão ao lado como uma bala de Mr. Magoo.

Depois as coisas complicaram-se com a continuação: Die Hard 2. E agora, velhos? Como descalçam esta bota? Não estavam à espera, pois não? Já não há arranha céus... E sabem porquê? Porque o herói é o Bruce Willis, não são os ladrões... Assalto ao Arranha-Céus 2 não podia ser. Não havia arranha céus. E nem assalto. Ora bem... Assalto ao Aeroporto... Ficou resolvido. MAL resolvido.

Depois no terceiro em que havia mesmo um assalto, ficou com o título Die Hard, a Vingança. Pois... Fico-me por aqui!

Howdy! It appeаrѕ as thоugh we both haѵe
a intегest foг the same thing.

Your blog, "Blogger: Cinema Xunga 2" and mine aгe
vеrу similaг. Have you eѵeг thought of ωriting a
guest post fοr a гelated blog?
It will unquestionаbly help gain publicіty to
your blog (my webѕite recieveѕ а lot οf visitors).
If you happen to be interested, contaсt
me at: milagroѕrenner@hοtmail.
cοm. Thаnκ уou so much

Also visіt my ωebpage :: Harsh Sex

By Anonymous Anónimo, at 3:08 da tarde  

Really good infоrmation cаn be found on weblog.
"The fundamental defect of fathers is that they want their children to be a credit to them." by Bertrand Russеll.


Ηere is mу web-site - Suspender Belt

By Anonymous Anónimo, at 9:47 da manhã  

Нey there! This іs the second time visiting now
and I persοnally ϳust wanted to ѕaу I
truley relish lоoking at уour web site. I have ԁecidеԁ tο bookmаrk it at digg.
com with thе title: Blogger: Cinema Xunga 2 and your Web
aԁdгеsѕ: http://www.
blogger.com/comment.g?blogID=5743589&pοstID=108562246036519615.
ӏ hope thіs is all гight with you,
I'm trying to give your fantastic blog a bit more visibility. Be back shortly.

My page; nice butt pictures

By Anonymous Anónimo, at 12:03 da tarde  

Hi! Тhis post сouldn't be written any better! Reading through this post reminds me of my good old room mate! He always kept chatting about this. I will forward this write-up to him. Fairly certain he will have a good read. Many thanks for sharing!

Here is my website: string bikini wax

By Anonymous Anónimo, at 8:00 da manhã  

My devеlopеr is trying tо ρersuadе me tо move to .
ΝET fгom PНP. I haѵe аlways diѕliked the idea
beсausе of the і am just not fаmіliar to it.
Вut hе's trying none the less. I've been using Movable-typе on seveгal webѕites fοr about a year anԁ i am anxious аbout
ѕwіtching tο anоthеr platform.
I have hеard great things abоut blogеngine.

net. Ӏs therе a way I can trаnsfеr all my wordρrеss сontent intο it?

Any kind of hеlρ ωould be greatly aρρreciated!


Also vіsit my blog Femjoy Girls

By Anonymous Anónimo, at 9:45 da manhã  

Hi thеre! Do you knоw if they maκe any plugins to аssist wіth SEΟ?

I'm trying to get my blog to rank for some targeted keywords but I'm not
ѕeeing νerу good gains. If you κnоw οf anу рleasе sharе.
Many thankѕ!

Αlsο vіsit my homepagе :: tiny micro bikini ladies

By Anonymous Anónimo, at 8:34 da manhã  

Sweet blog! I found it while ѕeaгching
on Yahoo Νews. Do you haѵe any suggestions on how to gеt
lіѕted in Үahοo Nеws?
I've been trying for a while but I never seem to get there! Many thanks

Also visit my blog post; First Time Sluts

By Anonymous Anónimo, at 2:11 da tarde  

Hi! Ι κnοw thіs is kinԁ of οff
tοpіc but I wаѕ wonderіng
if уоu knew wherе I сould get a captcha plugin for my comment form?
Ѕеemѕ I'm using the same blog engine as yours and I'm hаving diffiсulty findіng οnе?

Thankѕ a lot!

Here is my pаge :: Retarded Girls

By Anonymous Anónimo, at 8:26 da tarde  

Βrowsing deliсious.com I notіced
youг site bookmarked as: Bloggеr: Cinema Xunga 2.
Νow I am assuming you bοoκ marκed іt уourself and wantеd to asκ if sociаl book-mаrking gets you a good ԁeаl of targetеԁ visitors?
Ι've been thinking of doing some book-marking for a few of my sites but wasn't сertain if it wοulԁ
pгoduсe any poѕitivе results.
Manу thanks.

Look at my homepagе - vaytube.com

By Anonymous Anónimo, at 1:38 da tarde  

Hello there. I аm wondeгing if you
may bе interestеd in ԁοing a link ѕwap?
I see your blog: http://wωw.blogger.сom/comment.
g?blogӏD=5743589&postΙD=108562246036519615 аnd my blog аre structured arounԁ the same ѕubject
matter. I'd love to switch links or possibly guest author a post for you. Here is my personal email: jackbillingsley@gmail.com. Be sure to contact me if you're even remotely interested.
Manу thanks.

Here іs mу webpage; Dick Rubbing

By Anonymous Anónimo, at 1:16 da tarde  

Hey Ηey, ӏ am blοgger just liκe уou,
аnd wаs wοnԁеring, ѕince Googles Penguin Update, my site gеts noωhеrе found any lоnger
:( Hοωever when i looked for Blogger: Cіnema Xungа
2 your internet ѕite waѕ on the prіmaгy page.
Want tο ѕhaгe аny tірs ωіth me?

Ӏ pеrsonally uѕе only DuсkDuckGo as іntеrnet search еngine duе tο
thе faсt Google ѕcrеωed virtuаlly аll up.
DuсkDuckGo іs a lot likе Goοglе bеfore thеy ԁeсided to favoг only the maѕsive monster ѕites!


My web sіte ... Denys Defrancesco Mistresses

By Anonymous Anónimo, at 1:24 da tarde  

Heу there! I hoрe it iѕ possible to answеr my question.

I'm interested in a high grade WP theme, but I don't know
how to know if the οne I сhоose will be compatible with mobile ρhones.
What аre some гecοmmendations you can give me іn rеgards tо what tо watсh out foг ωith regaгds to colors
аnd background and factоrs like thаt?
I typіcаlly lоok аt wеbѕites ѵia my pda, and І'm going to bet that a lot of people are just like me in that way. Oops, i went a bit off topic, sorry. Appreciated the document thou.

Also visit my weblog :: Experienced Ladies

By Anonymous Anónimo, at 6:35 da tarde  

segunda-feira, maio 24, 2004

Van Helsing (2004)


Van Helsing (2004)Sinopse: Um agente hiper-secreto, arraçado de super-heroi, parte para a transilvânia para caçar Drácula. Por lá tem que se ver a contas com o lobisomem e dar uma perninha ao monstro de Frankenstein. Pelo meio ainda tem tempo para um engate e descobrir o segredo da sua própria existência.

Crítica: Post do cinema xunga daqui a 100 anos: "Agora que se revive uma onda de usar humanos em filmes, faz hoje 100 anos que o pioneiro desta técnica estreou. Val Helsing. Primitivo, certamente, mas o uso minimalista de humanos fez dele um clássico, lado a lado com o volume 17 de Star Wars e o Porky's 2076, feito com porcos de verdade... " . Não estou certamente longe da verdade ao colocar aqui a minha costela de futurologista, mas o certo é que o excesso de gráficos de computador tornou um filme num ode às texturas de plástico, e nos momentos em que passei acordado, procurava desenfreadamente o meu joystick.

Fazendo sempre uso de um ritmo bastante acelerado, o cérebro dos inocentes espectadores começa a trabalhar no modo "dormente", sendo que cada vez que aparecem diálogos (entre uma ou outra explosão), toda a gente reclama com um sonoro "Booooring!". Claro que é um filme pensado segundo o conceito "o trailer diz tudo" ou "vamos colocar as falas no meio da porrada, para não quebrar o ritmo". Uma estatística da universidade regional de Witchita do sul diz mesmo que são consumidas o dobro das pipocas neste filme, devido ao aceleramente cardíaco e consequente aumento do ritmo de mastigação.

Confesso que neste tipo de filmes sinto sempre uma perfeita admiração pela equipa técnica responsável por transformar em verdade todo aquele imaginário que sai dos storyboards. Não sinto admiração nenhuma pela equipa de realização, produção e actores... As personagens são de um vazio absoluto. Val Helsing, que para mim será sempre Wolverine, é um estereotipo quadradão. As suas piadas e falas de durão são de meter os dedos à boca e aquele aspecto de "eu sei tudo e safo-me sempre" dá vontade de lhe arrancar a barba à chapada. A estrela feminina também não é lá grande presença. Mas é bonita e bem feitinha. Aliás, foram essas características que safaram Underworld de ser um completo falhanço. O sidekick, um frade consumido de tesão, é uma fonte seca de piadas.

Drácula merecia uma melhor performance e uma construção decente de personalidade (ou falta dela). O aspecto romântico e invencível foi substituído por um drácula fraco, artificial e nada assustador. As suas noivas deviam ter continuado na mansão Playboy com Hugh Hefner. O lobisomem arrasta-se ali indignamente à espera de ser usado no fim. E por falar em fim, há ali um pedaço de filme em que o continuum espaço temporal pára, pois aquilo que deveriam ser 12 segundos extende-se por uns bons 5 minutos. Coisas de filmes xunga...

Filmado em 4 dias e com 2 anos de pós-produção, Van Helsing é vazio de conteúdo, sendo apenas um delírio visual com excessos de artificialismos digitais. A interacção entre os digitais e os orgânicos não convence. Tudo pode ser perfeito, mas acredito que um actor não pode fazer um trabalho decente a actuar frente a um quadro verde. A narrativa é zero.

Pontos altos: Gostei do monstro de Frankenstein, o único personagem artificial pareceu-me o mais humano.

Pontos baixos: As noivas de drácula, Van Helsing, a estética roubada miseravelmente ao "Drácula de Bram Stoker", digitália exagerada. Um passo tão acelerado que adormece. Aposto que este filme feito segundo as normas do Dogma 95 nos pegaria mais ao ecran.

Veredicto: Puta que os pariu, haja respeito por estes personagens sagrados da mitologia xunga.

Este filme está de parabéns! Consegui entrar no meu top. tem dos filmes mais medrosos que tive a angustia de ver..
Dado o mote vamos a critica, o trailler e o póster do filme até incentivam a ver o filme, e sendo eu um gajo que até curte estas tretas de gótico e fantástico, aventurei-me a ir ver o dito cujo. Ora, ou eu cometi algo muito mau noutra vida e Deus está-me a castigar ao levar-me ao encontro deste filme ou ent?o quem fez este filme foi enrrabado por tantas pessoas que agora tenta-se vingar ao lançar este filme.

O filme é t?o mau t?o mau que ver uma dezena de porco a cagar tem mais emoç?o que toda a acç?o deste filme, vejam lá voc?s que o filme começa com uma personagem meia extraterrestre meia humano, que viu a saga toda do Indiana Jones quando era puto e agora n?o descola para a realidade, e ent?o sua profiss?o é matar monstros para que todo o ser comum possa dormir descansado. Mas eis ent?o que a sua adorável rotina é interrompida por uma miss?o de louvar aos céus, vai ter de matar dracula, porque é feio, porco e mau, como se isso n?o bastasse para contar uma historia ainda vai engatar uma gaja e matar uns quantos de bichos voadores e t?o feios quanto ele pelo meio.

O fim é t?o bom como o inicio, de chorar a rir.. alias, este filme n?o é assim t?o mau.. dei mais gargalhadas neste do que no Titanic o que é um feito.

Se procuram um misto de Indiana Jones com Exterminador Implacável e uma atmosfera 99,9% artificial ent?o este é o vosso filme, tem para aqui efeitos especiais e croma que dava para fazer efeitos especiais em filmes portugueses durante 100 anos.

By Blogger hemlet, at 11:58 da manhã  

o Van Helsing, na minha opini?o é um filme muito bem conseguido pelo Sommers! n?o merecia ser t?o criticado! é uma análise subjectiva que temos que aceitar, mas o Van Helsing é um filme muito ? frente!

By Anonymous Cinéfilo, at 7:21 da tarde  

sexta-feira, maio 21, 2004

Cabin Fever (2002)

Cabin Fever (2002) Sinopse: Um grupo de jovens viaja para o interior para encontrar o mesmo destino de milhares de outros jovens que também já foram chacinados em filmes do género. Slash, cut, mangle, e por aí fora...

Crítica: Acabei de vir do dentista onde me foi arrancada uma raíz. Aquilo custou a tirar, pelo que me encontro cheio de dores. Na impossibilidade de esmagar a cabeça a alguém com uma pedra de decoração, vou dedicar-me a devastar este pequeno e simpático filme. Ora bem, comecemos.

A ideia de criar um filme deste género, remonta a 1901 (aproximadamente). Desde essa altura, são feitos aproximadamente 253 filmes destes por ano. Porquê enganar as pessoas com a esperança vã de que este vai ser diferente? Porque nos martirizamos a ver filmes que sabemos à partida cada pequeno detalhe. Todos os aficionados do género sabem como acaba, quem sobrevive, as sequencia das mortes. As mortes ocorrem sempre do personagem mais apagado para o que está mais em destaque. É assim, nunca muda. Nuuuunca.

Este belo desperdício de película tem no entanto algumas nuances diferentes. O que significa nuances mesmo? Continuando, este é estranho. Dentro do mesmo modelo monótono e tedioso, mas ligeiramente diferente. Digamos que está dividido em dois. A primeira parte (40 minutos exactamente) segue a onda normal. Interior dos EUA, aldeias com pessoas peculiares, um susto ou outro que afinal é apenas o gato, um sidekick que só diz piadas e não come gajas, um chefe de uma equipa de futebol, a chefe das Cheer leaders, um carro de grande cilindrada, enfim, o rol do costume. Nessa primeira parte, morre pouca gente. Aparece um caçador com uma estranha doença de pele e que é completamente ignorado e friamente dispensado pelos nossos heróis. O mais impressionante é que acaba por passar a mensagem de "não ajude estranhos. podem estar a morrer e a implorar ajuda de joelhos enquanto se envaiem em sangue, mas não ajudem estranhos". E pronto, estão a ver mais ou menos como funciona.

Depois então, a partir dos 40:01 minutos acontece uma coisa estranha. É como se o realizador tivesse dito "Ora bem, vamos cagar completamente no guião e vamos matar toda a gente num banho de sangue sem lógica, mas bastante violento e gráfico." E assim começa... Morre tudo e mais alguma coisa e da maneira mais atroz possível, até cães, imaginem! Pronto, e depois acaba.

Conclusão, é vazio de cinema e cheio de sangue e tripas, o que até é bom. Sim, porque imaginem que o realizador queria fazer disto uma obra prima para os Oscares... Isso sim era mau. Agora assim uma coisa despretensiosa e relaxada é porreira. É do tipo "mata mais aquele gajo ali", grita o realizador, "mas ele é o tipo do microfone", diz o assistente, "não interessa, achas que alguém nota? vá mata lá o gajo também".

Pontos altos
: Xunga de alto nível.

Pontos baixos: Xunga de alto nível.~

Veredicto: Deixem as namoradas e os amigos que vão ao cinema baseados nos Oscares e em Cannes em casa e vão curtir a matança.

NOTA EXTRA: A verdade é que este filme é uma metáfora em relação à sida e à sua propagação. Tenham isto em mente enquanto presenciam carnificina sem limites, fará de vocês melhores pessoas.


quinta-feira, maio 20, 2004

Top 5 atrasadinhos/doentinhos dos Oscares

É sabido que a Academia tem coração mole no que diz respeito a personagens com pouca sorte na vida. É uma fase que já passou, é certo, mas ocasionalmente lá vai um oscar de melhor actor ou actriz para um retardado, desgraçado, injustiçado ou doentinho. Mesmo que isso não se revele na verdadeira performance do actor, o certo é que arrancar lágrimas a alicate funciona com aqueles tipo. Fica aqui uma lista feita "assim de repente" com esses desgraçados todos que ganharam oscares.

1 - Daniel Day-Lewis - My Left Foot (1989)
2 - Marlee Matlin - Children of a Lesser God (1986)
3 - Tom Hanks - Forrest Gump (1994)
4 - Dustin Hoffman - Rain Man (1988)
5 - Tom Hanks - Philadelphia (1993)

Menção honrosa para Tom Hanks que conseguiu enganar a academia com lamechices dois anos seguidos, ainda que o seu Forrest Gump apenas tenha o nome em comum com o do livro.

quarta-feira, maio 19, 2004

Top 10 de filmes com porcos

1 - Snatch (2000)
2 - Spirited Away (2002) - A viagem de Chihiro
3 - Butcher Boy, The (1997)
4 - Muppets From Space (1999)
5 - Lord of the Flies (1963)
6 - Space Truckers (1996)
7 - Babe (1995)
8 - Mad Max Beyond Thunderdome (1985)
9 - Chona, la puerca asesina (1990)
10 - Espírito de Porco (1957)

:: Notas ::
- Prémio especial do juri xunga para Space Truckers, onde os porcos eram quadrados (mais cúbicos) para serem transportados em gigantescos camiões espaciais. O filme era tão mau que esqueci-me de tudo menos dos porcos...
- Chona, la puerca asesina é uma curta metragem que nunca encontrei (mas tentei). Ainda não vi, mas parece que é a história de uma porca que bebe um líquido radioactivo e entra numa onda de serial killer. O típico filme de animais que bebem líquido radioactivo...
- O número 10 da lista, Espírito de Porco, nunca vi nem sei o que é, mas como só me lembrei de 9 títulos e era um top 10, tive que procurar. Nunca se ouviu falar de um top 9, nĂŁo ĂŠ?

(EDIT 21-05-2004)
Gato Preto, Gato Branco (1998) - Um porco consome um automĂłvel duranto o filme.
Obrigado Afonso

Gothika (2003)

Gothika (2003) Sinopse: Uma psicóloga de sucesso acorda um dia presa no seu próprio asilo, suspeita de ter cometido o mais horrendo crime.

Crítica: Este é daqueles do género: apresentam uma situação interessante no início, um quebra cabeças, depois esperamos 80 minutos a encher chouriços e depois tem uma desculpa esfarrapada para um final. Desde "La Haine" que vejo todos os filmes de Mathieu Kassovitz na esperança que se liberte o brilhantismo que ele possui. Ele tem jeito, sabe que tem jeito, mas custa a sair. Costuma-se chamar a isto preguiça. Depois aparece Penelope Cruz num papel meramente decorativo, com 3 minutos de tempo de filme. Faz aquele típico papel de tresloucada, que diz coisas como "os extraterrestres roubaram-me um saco de salsichas", mas que no final ela é que a sabia toda e ninguém a ouviu... Tipo a senhora do tronco no Twin Peaks. Halle Berry exibe-se, como numa passagem de modelos, atraindo tansos Oscarmaniacos às salas. Podia ser outra gaja qualquer, mas não... Esta ganhou um oscar, ca**lho!

Filme de fantasmas, thriller psicológico paranormal, filme gótico apenas de nome, tudo serve para catalogar esta peça de xungaria tipicamente "quando o filme acabar, apago-o da memória". O drama é inteiramente fornecido pela música que nos controla a adrenalina artificialmente. Os sobressaltos acontecem quando todos os músicos da orquestra da banda sonora são instruídos para tocarem cada um uma nota diferente o mais alto possível. O trabalho de câmara é bom, como é característico em Kassovitz. O argumento vai fornecendo pequenas pista em desespero, para nos manter na sala, depois da grande promessa dos 10 minutos iniciais. Depois o twist final é do tipo queijo suiço. Qualquer corajoso que se lembre de rever o filme, vai apanhar pelo menos um plot hole a cada 10 minutos. Obviamente que este filme foi criado para ser visto apenas uma vez, até porque a oferta é muito e temos mais que fazer do que rever xungaria. Há sempre um mundo novo de xungaria à porta para ver.

É o chamado "filme de criar ambiente". Mas para isso podemos sempre colocar um pano vermelho sobre o candeeiro, como nos ensinou o mestre Woody Allen e poupamos uns trocos. Série A inspirado em série B para parecer série B. Resulta num série B de orçamento de série A. Provavelmente o orçamento disto serviria para pagar as produções de todos os Sexta Feira 13, Pesadelo em Elm Street, Re-animators, Piranhas Assassinas e todas as continuações dos Palhaços Sanguinários do Espaço (e talvez 485 episódios do espaço 1999).

Pontos altos: Trabalho de câmara, criação de ambientes (para nada). Lamentavelmente não entram anões nem póneis, o que é sempre um ponto alto em qualquer filme que se preze.

Ponto baixos tudo além da premissa inicia.

Veredicto: Esbajamento de dinheiro. (tanto na produção como no blihete)

terça-feira, maio 18, 2004

Gerry (2002)
Flash review

Gerry (2002) Sinopse: 2 gajos perdem-se...

Crítica: Extractos do filme: "Olha ali um calhau...", "Olha, vou subir àquele monte e vou-me perder deliberadamente." ou "Ficaste preso nesse calhau? Tens que saltar, mas não te podes magoar... Vou só ali procurar areia e perder 40 minutos de tempo útil de filme".

Senhor Gus Van Sant, havia justificação para este delírio? Depois de Elephant, quando comecei a olhá-lo com mais atenção, sai-me com este filme. Um magnífico slide show, fotografia de qualidade máxima, mas... Mas mais nada.

Pontos altos: Fotografia

Pontos baixos: ... o resto.

domingo, maio 16, 2004

The Dreamers (2004)

The Dreamers (2004) Sinopse: Dois irmãos franceses, amantes de cinema, convidam um jovem americano para passar uns dias lá em casa enquanto os pais vão para algures. Tendo como pano de fundo a revolução estudantil de Paris em 1968, este filme é um ode à experimentação e também uma prova de que não é preciso usar soutien para criar umas mamas torneadinhas e bojudas.

Crítica: Podem dizer coisas como "Uma homenagem emocionada ao cinema", "A revolução faz-se nas ruas ou é um processo individual" ou ainda "Uma aproximação à paisagem intelectual dos anos 60, sobre a liberdade suprema e blá blá blá...", mas na realidade os cinéfilos correram em grandes manadas aos cinemas com a premissa de sexo explícito e carne à fartazana. Quem não viu o seu pau a ser levantado involutariamente na cena de lésbicas do "Mulholland Drive" ou a desenfreada fodança que se espalhava como fogo selvagem em "Crash"? Bem, penso que ninguém poderá passar por cima deste aspecto em qualquer crítica que se faça. Também filmes como "Intimacy", "Os Idiotas", "Bound" ou "In the Cut" usaram esse hype sexual para arrastarem imprudentes cinéfilos às salas sob a capa do arty movie. Não estou a dizer que não aprove, porque acho que para retratar no cinema a existência humana, há que fazê-lo sob todos os aspectos, nem que isso inclua gajas a mudar o penso, pessoas a fazerem força no WC ou o sexo crú. Felizmente que isso já se vai fazendo mais actualmente.

Este filme acaba por ser um bocado xunga, porque nos dá a entender que a linha é a da libertação pessoal e amor ao cinema (à mistura com a tal revolução), mas na realidade é uma sucessão que quecas que traz ao mundo este corpo de deusa que é Eva Green. Também não vejo isto como um filme que fale sobre o incesto, porque este simplesmente não existe. Provavelmente seria útil uma vista de olhos a "Dead Ringers" de Cronenberg para perceber melhor este tipo de relação hiper-protector de irmãos.

A maneira como é retratada a sociedade francesa dos anos 60 é mais South Park do que propriamente histórica. Tudo fuma, é uma festa. Bernardo Bertolucci, com a sua costela de pedófilo adormecido, dá uma visão sexual ao filme que, confessemos, ofusca tudo em redor. Os actores na realidade não são grande merda, e sou capaz de jurar que ocasionalmente o vi a olhar por cima da câmara à espera de instruções. Ser cool não é tudo, Bernardo. Bem, eu bem que tento andar para aqui à procura de assunto, mas só me lembro mesmo do sexo. Resultou na perfeição esta estratégia. Para dar outra interpretação, experimentem visualizar na vossa cabeça este filme com as cenas "quentes" cortadas. O que se vê? Uma imensa seca de 45 minutos que chega mesmo a suplantar a seca estática que foi "Gerry" de Van Sant. Por falar em Gerry, um dia destes tenho que falar aqui dos 37 minutos que vi desse filme.

Pontos altos: Eva Green, porn star!

Pontos baixos: *** Spoiler*** Confesso que a cena do sangue depois do sexo tirou a excitação toda. É monótono, esteriotipado, mal representado, clautrofóbico e irreal.

Veredicto: Xunga por xunga, prefiro o Freedy Krueger





Visitor Q (2001)

Visitor Q Sinopse: Preparem-se que vão gostar deste... Tudo começa com um tipo nervoso que se prepara para ir para a cama com uma miúda (novinha). É tudo filmado com uma câmara amadora num ambiente quase "amateur porn". Depois de algum tempo percebe-se que o homem é pai da miúda. É um antigo apresentador de um programa de reportagens de choque que pretende voltar ao activo com uma reportagem dele a comer a própria filha. Depois, quando sai do quarto é atingido na cabeça por uma grande pedra. A caminho de casa, depois de regressar do hospital é novamente atingido na cabeça por uma pedra ainda maior. Num ambiente surreal, o tipo que lhe racha a cabeça acaba por ser convidado para casa da vítima onde convive como uma visita de honra (visitor q). Depois é uma sequência deste género: o filho bate na mãe de uma maneira bem violenta. Esse mesmo filho apanha porrada todos os dias dos amigos da escola. A mãe droga-se com heroína. O prazer sexual da mãe é esguichar leite das suas proprias mamas. O pai quer fazer uma reportagem do próprio filho a apanhar dos amigos e acaba por matar a sua assistente de produção no processo. Depois tem sexo com essa assistente morta e fica com o penis entalado dentro dela, por consequencia do rigor mortis. O pai e a mãe matam os inimigos do filho a golpes de chave de fendas e motoserra. Ah, e tem um final feliz... Esqueci-me de uma coisa. A razão pela qual ele foi despedido do programa de TV foi um programa em directo no qual os entrevistados lhe enfiaram um microfone no cu... É japonês, só podia. Não parece fazer sentido, pois não? Também achei o mesmo.

Crítica: Que os japoneses são dados a taras estranhas, já todos sabemos. Basta ver o hentai ou o famoso japanese Bukake (não me perguntem o que é isto, usem o google). O mais impressionante neste filme, é que começa como um quase reality movie e acaba numa comédia surreal. E olhem que não tem passagens bruscas. É smooth.

O realizador, Takashi Miike, é famoso por fazer este tipo de filmes choque. Não conhecia, mas também não pretendo ver mais nenhum. Na questão da representação, continuo com sérias dificuldades em avaliar a performance de actores japoneses. E acreditem que já vi bastantes filmes nipónicos. Talvez haja uma falta de identificação qualquer com a cultura, o certo é que me parece tudo forçado. Depois há a qualidade de imagem. Não sei se será do sistema de conversão filme/DVD, ou do sistema estranho de TV deles, mas parecem-me sempre de um azul desbotado. A trabalho de câmara é horrendo, numa tentativa de imitar o estilo "acção real com camara na mão". A fotografia... Bem a fotografia é uma merda. Basicamente é uma sucessão de situações absolutamente ridículas que penso ser com a intenção de chocar. Não sei...

A classificação da MPAA é "Rated R for strong aberrant sexual and violent content, language and drug use", o que o pode tornar interessante ao incauto cinéfilo que está numa fase de "cinematografias alternativas. Todos sabemos que a MPAA é gerida por Neo-conservadores Busheanos que penalizam mais que alguns centimetros quadrados de pele, mas aqui penso que se aplica.

Pontos altos: É estupidamente imprevisível. Acaba por ser mais interessante do que ver as telenovelas da TVI. É curto...

Pontos baixos: Qualquer um de vocês não aguentaria mais do que 0,5 segundos num processo de zapping. É tudo mau, mas daquele mau que até é interessante de tão mau.

Veredicto: Penalizar as importações japonesas com a duplicação dos impostos alfandegários...

sábado, maio 15, 2004

Aguentem-se amiguinhos...

Amanhã vou ver o Starship Troopers 2... Sim, o 2. Parece que este filme é tão mau que nem sequer teve edição própria em DVD. É um extra do Starship Troopers - The Animated Series. É assim. Mau.

Freaky Friday (2003)

Freaky Friday (2003) Sinopse: Uma mãe trabalhadora e séria muda de corpo com a filha, rebelde e dada a piercings. A mãe, prestes a casar com um tipo que tem uma espiga de milho enfiada no cu todo o dia, não aprova a banda de música e o namorado da filha. A troca de corpo serve para as duas se compreenderem melhor. Já devem ter visto algo parecido na SIC no dia de Natal.

Crítica: Perguntam vocês: "Mas tu só vês filmes de merda?". Eu respondo: "Não, eu vejo todo o tipo de filmes. Tenho os meus gostos, que não revelo aqui. Ocasionalmente, quando se junta um grupo, para haver acordo, o pessoal acaba sempre por alinhar a qualidade por baixo e aí é que são vistos os tais filmes de merda." Vamos então à crítica.

A história é banal e já toda a gente viu uma versão disto em qualquer lado. Existe até uma série de TV em que esta situação aconteceu entre um cão e um puto, imaginem! Como dá ao domingo de manhã, só vejo quando estou de directa. Jamie Lee Curtis será sempre Wanda, por mais filmes que faça. Uma situação chata de typecasting. Este filme dá-lhe um aspecto mais sério e familiar que não ajuda nada. Não imagino a Wanda assim.

Um filme que tem críticas como "Lot Of Fun! Entertaining And Comical, The Perfect Family Movie!" e é produzido pela Disney só pode ser mau. E penso que não estou sozinho nisto. Normalmente envolvem animais que falam ou continuações manhosas directas para video de grandes clássicos.

A situação é sempre a mesma. As pessoas trocam de corpo numa qualquer situação ridiculo/sombria que envolve um misticismo exótico (oriental neste caso). Para reverter a situação é preciso que as pessoas se sintam confortáveis no novo corpo, o que nunca é fácil, como podem imaginar. No início ambos entram em pânico, mas vão-se acomodando ao corpo com relativa facilidade, até porque existe sempre uma situação no final em que não daria jeito nenhum se os corpos estivessem trocados. Neste caso é um casamento. Os actores andam em piloto automático, um ou dois sidekicks espalham piadas "familiares" e a realização é feita pelos produtores, existindo um realizador porque os bonés já estavam encomendados com o nome "director" e era chato não serem usados. Como em todos os filmes da Disney, tem pelo menos um cão que é extremamente inteligente e tapa os olhos quando alguém faz trapalhada. Hehe, que giro! [inserir ironia e sarcasmo aqui]

Depois há sempre alguém que aparece quando o filme já roda há 20 minutos e tem que se recomeçar. [dor] Depois há sempre pessoas que se riem novamente da mesma piada ridícula que normalmente é protagonizada pelo cão ou um macaco. [agonia] Acho que acabo a crítica por aqui, que já me estou a sentir estranho só de me lembrar.

Pontos altos: Jamie Lee Curtis mostra alguma pele. Ainda está "utilizável"

Pontos baixos: É preciso dizer mais?!!?...

Veredicto: Tenebroso... Mais assustador do que um filme de terror.

PS: Provavelmente alguém poderá ter reparado que os pontos altos têm sempre a ver com nudez, sexo ou mortes sanguinárias. Têm razão... É que nestes filmes por vezes é mesmo a única coisa boa que se pode ver. É o meu espírito optimista a falar. E pronto, não se fala mais nisso...

Shredder (2003)

Shredder (2003) Sinopse: Um grupo de teenagers viaja para uma cabana abandonada numa zona de neve para fazer snowboard. Depois... Ah, já sabem o estilo? Ok. Só quero acrescentar que este tem como pano de fundo um colónia de ski abandonada (claro), uma zona sem contactos com o mundo civilizado e é focado na guerra que existe entre Skiers e Snowboarders. O costume...

Crítica: Este cinema xunga (blog), mais do que desancar sem piedade em filmes de qualidade duvidosa, tem também uma vertente educativa. Uma espécie de escola do xunga para ajudar à compreensão do fenómeno tão adorado pelo maralhal. Senão porque haveriam de encher as sessões do Fantasporto. O pessoal gosta de banhadas. Gosta de se rir de coisas que inicialmente não eram supostas ser cómicas. Vou dar um exemplo. Quem nunca viu cinema xunga, nunca poderá compreender em toda a sua complexidade (hehe) o último de Tarantino. Um ode ao xunga. Só quem assistiu já algumas vezes aos filmes de bordoada de Hong Kong se consegue rir dos exagerados zooms na cena de Pai Mei ou dos desfocados acidentais... Adiante.

Este filme tem o habitual "template" dos slasher movies em que adolescentes vão para qualquer lado para serem chacinados. O ritmo das mortes vai aumentando. O primeiro morre para aí aos 40 minutos, depois outro passados 15 minutos, depois 5 minutos, depois passados 3, depois morrem dois de uma vez, depois morrem todos estupidamente e no fim fica o casal. O primeiro custa sempre a morrer e depois vão amolecendo e os últimos parecem manteiga. Há sempre um assassino, mas desde o Scream às vezes aparecem dois. O realizador (?) tenta sempre meter um twist final que tem dois efeitos possíveis: ou transforma o argumento num queijo suiço ou então é completamente irreal e ridículo, tipo "o assassino é um estraterrestre mutante que foi possuido pelo diabo, abusado sexualmente em criança e desfigurado por ácido ou um moto-serra". Normalmente têm entre 79 e 83 minutos, com os créditos finais bem longos.

Outra coisa típica destes filme são as teenegers com grandes mamas. Há sempre uma cena de mamas e uma cena de sexo foleira. Se aparecer logo no início montes de nudez e sexo, esqueçam... O filme vai ser uma merda. Se forem pessoas sérias é capaz de se atirar para um banho de sangue porreiro. Agora vamos ao filme propriamente dito:

... tem logo no início montes de mamas e sexo. Got it? Merda seca no que diz respeito ao terror propriamente dito. Eu nem sequer sabia que existiam guerras acessas entre gajos do ski e gajos do snowboard. Mas aprendi esse ensinamento que me acompanhará para o resto da vida. Pode um dia ser preciso no "Quem quer Ser Milionário" ou se a minha vida depender de um qualquer questionário ridículo. Mais coisas do filme... As cenas de mortes são todas no escuro e tem umas sequências tipo "Portugal Radical" a atirar para o foleiro.

Pontos Altos: As garotas que abanam por ali com o rabo ao léu. Nem sequer me lembro da música, porque acelerei aquilo a 2x para acabar mais depressa.

Pontos Baixos: Bem, na realidade, quase tudo. Os actores destes filmes costumam ser daqueles que têm apenas no currículo aparições de 3 minutos em sitcoms obscuros que só passam às 3 da manhã numa estação local do Utah.

Veredicto: É xunga, amigos, xungão!

sexta-feira, maio 14, 2004

Something's Gotta Give (2003)

Something's Gotta Give (2003) Sinopse: Um velho que come miúdas de vinte e poucos anos é confrontado com uma velha que já não come nada há muito tempo. Vai daí, desatinos e arrufos pelo meio, apaixonam-se. Depois é uma hora até ao fim à espera que eles realmente se entendam, porque o velho não está habituado a namoros de longa data, ainda por cima com uma velha. A velha também não tem muito bom feitio, até porque longos anos de secura a transformaram numa chupadora profissional de limões.

Crítica: Em primeiro lugar deixem-me dar a desculpa clássica: Porque é que vi este filme? Não sei... Estava lá em casa e comecei a ver para comprovar se as legendas estavam sincronizadas e acabei por ficar. Uma valente dor de costas não me deixou levantar e uma leve dormência provocada por forças ocultas que me atormentam há anos fez-me ficar no sofá a vegetar e a consumir aquela merda. Depois há um elemento neste filme que faz o faz entrar directamente na categoria xunga: Keanu Reeves. É, o tijolo emocional também entra nesta amálgama de banalidades. Mas julgo que ele e aquela gaja boa que aparece lá em cuecas servem apenas para o rapaziada nova não torcer o nariz. Uma gaja boa em cuecas dá sempre um certo alívio a qualquer sofrimento.

Depois temos o casalinho. O Jackus Nicholsonsaurus e a Diane Keaton, que já foram uvas que deram vinho ou chão que deu uvas ou isso... Bem, a argumento não passa de uma desculpa falhada para colocar aqueles dois às turras. Alguém pensou que ficaria bem uma comédia romântica com o casalinho maravilha e depois foi só colocar banha de porco em volta para chegar às duas horas. Sim amigos, duas horas... A relação entre os dois desenvolve-se ao solavancos em que numa altura parece que ainda faltam 50 anos para eles se entenderem e na próxima cena parecem andar ali todos melosos. Depois o Keanu anda ali a tentar engatar a velha, numa performance que teria sido melhor feita pelo Rex, o cão polícia. Enfim, mau muito mau.

Pontos altos: Hã? Só se for a gaja das cuecas...

Pontos baixos: Duas horas perdidas, lamechice de balde e alguidar, politicamente correcto. Um filme para mostrar aos sogros enquanto se come a filha no quarto no andar de cima.

Veredicto: Prisão perpétua para Diane Keaton e Jack Nicholson, sem possibilidade de recurso ou caução...

Renascimento do Cinema Xunga

Num apelo à comunidade e por sugestão do meu psicólogo, decidi voltar com mais uma dose de cinema xunga. Chamemos-lhe um "sequela", como dizem os americanos. Espero que gostem...